No primeiro capítulo da minissérie Iniciando Minha Loja Virtual entendemos que um planejamento de seu negócio online é fundamental para organizar o seu comércio eletrônico.

Inicialmente você definiu em qual setor de negócios pretende atuar e quais os produtos ou serviços que pretende oferecer na internet. Uma vez definido o seu segmento de atuação, você pensou num “nome” para o seu negócio, pesquisou na web para saber se ele já não está sendo usado por outra empresa, e na sequencia providenciou o registro de domínio próprio para usar na sua futura loja virtual.

Ao mesmo tempo em que definiu e registrou um nome, você procurou um designer para criar uma logomarca e uma agência ou desenvolvedor web para lhe orientar a contratar um provedor de hospedagem e iniciar o desenvolvimento do sistema e layout de sua loja.

Neste capítulo, vamos nos aprofundar mais sobre estas últimas questões, porque há muito o que se aprender sobre elas ;)

Criando uma boa relação com seu desenvolvedor

Como vimos no capítulo anterior, “prazos e pagamentos devem ser acordados antecipadamente e honrados por todos os envolvidos”.

A questão cumprimento de pagamentos é importante, pois um cliente que atrasa pagamentos coloca o acordo numa situação de desconfiança, o que também pode acontecer no lado do cliente, caso os prazos da agência não sejam cumpridos. De um lado temos uma agência, que é uma empresa constituída, que atua exclusivamente neste segmento e possui uma carteira de clientes, mas do outro lado, muitas vezes há um cliente que está começando o seu negócio, e que nem sempre tem como oferecer garantias.

É por esse motivo que muitas agências somente iniciam o trabalho após a assinatura de uma proposta e o pagamento do sinal. O cliente precisa estar ciente que, a partir do momento de concordância e autorização para o serviço, uma equipe de profissionais já estará trabalhando para ele.

  • DICA: A não ser que você tenha solicitado um desconto muito vantajoso para efetuar antecipadamente o pagamento do valor total à vista, sugerimos optar pelo pagamento parcelado, sendo a primeira parcela imediata a título de sinal para início do trabalho, e as demais parcelas conforme o acordado.

Além de uma proposta bem detalhada – e que inclua valores, vencimento, prazo de entrega e garantia – é bom definir uma política de relacionamento entre as partes, durante e, principalmente, após a conclusão do trabalho.

Muitos clientes acreditam que uma vez finalizado o projeto, não serão mais necessários os serviços do desenvolvedor.

Na verdade, como qualquer software ou aplicativo instalado em seu computador ou celular, periodicamente são necessárias atualizações de versões. Muitas delas até por questões de segurança ou falha técnica.

No caso de sites ou lojas virtuais, é recomendado que este trabalho seja realizado por um profissional, pois somente ele saberá avaliar o impacto que a atualização poderá causar em todo o sistema. Novas versões de um plugin, por exemplo, podem até provocar a paralisação de todo o sistema!

  • DICA: nunca realize alterações ou atualizações técnicas, sem antes consultar um profissional da área. Dê preferência para aquele que desenvolveu o seu projeto, pois além de ser seu técnico de confiança, ele conhece detalhadamente o sistema em que trabalhou.

Ainda em relação à prazos, é importante que se diga que a agência ou desenvolvedor esperam a colaboração do cliente para o andamento do projeto. Sim! A participação do empreendedor é fundamental ;)

É muito comum clientes não colaborarem com os prazos do projeto. A agência ou desenvolvedor solicita, por exemplo, fotos e dados dos produtos/serviços a serem inseridos na loja, e o cliente leva semanas para responder ou fornece informações incompletas, atrasando o projeto.

A colaboração de ambas as partes é fundamental para a conclusão de um bom projeto e no prazo estipulado.

Escolhendo o melhor sistema para a sua loja virtual

Existem no mercado uma série de sistemas de comércio eletrônico que podem ser usados, mas nesta minissérie estaremos focando nos mais usados no mercado e que possuem a melhor relação custo versus benefício.

Atualmente cerca de 30% dos sites e lojas virtuais em operação na web mundial utilizam a plataforma WordPress (WP).

WordPress (WP) é um aplicativo que consiste num sistema de gerenciamento de conteúdo para a web (CMS, sigla para a expressão em inglês Content Management System) escrito basicamente em linguagem de programação PHP, que utiliza banco de dados MySQL, CSS, HTML, entre outras linguagens. O sistema é voltado principalmente para a criação de páginas para a web.

O WP é considerado uma das ferramentas mais famosas para a publicação de conteúdo (textos e imagens) na internet, disputando diretamente com outros serviços e CMS, gratuitos ou pagos, existentes no segmento de tecnologia de informação.

Conhecido por sua facilidade de instalação e uso, o WP permite atualizações automáticas do software e de seu conteúdo através de um simples browser (navegador de internet) conectado na internet. Com apenas um login e senha, o usuário pode mudar totalmente o design de sua página web ou gerenciar de forma fácil o conteúdo a qualquer momento, sem a necessidade da instalação ou uso de qualquer outro programa (software) adicional.

O uso do aplicativo também facilita muito a otimização do site (SEO) nos mecanismos de buscas, estando presente com frequência nos principais sites listados por estes mecanismos.

Grandes empresas no mundo utilizam o WordPress para gerenciar seus conteúdos na web, entre elas estão: CNN, Ebay, Yahoo, Ford, Wall Street Journal, Sony, New York Times, Firefox, Fickr, Samsung, GE, MTV, NASA, Pepsi, Xerox, Network Solutions, Spotify, Imasters, Digg, PlayStation, Petrobrás, Ministério da Cultura, Veja, Globo, só para citar alguns dos mais famosos.

Atualmente mais de 50 milhões de websites no mundo inteiro usam WordPress. O WordPress registra atualmente mais de 2,5 bilhões de visualizações de páginas por mês, que são consumidas por mais de 287 milhões de usuários mensais.

Junto com o WordPress é possível instalar uma coleção de plug-ins fantásticos, que não somente transformam o seu WordPress numa plataforma de comércio eletrônico perfeita, como auxiliam na divulgação de sua empresa nas mais conhecidas redes sociais.

Muitos destes plugins são gratuitos e alguns oferecem versões pagas com uma variedade de recursos adicionais. Mesmo aqueles que são pagos, os custos costumam ser acessíveis para quem está iniciando um negócio e seus recursos podem ajudar muito!

Normalmente agências e desenvolvedores tendem a utilizar as versões gratuitas para não onerar os custos do cliente, mas é sempre bom estar ciente que, para determinados recursos, somente os plug-ins pagos resolvem a pendência.

  • DICA: Na primeira reunião com sua agência ou desenvolvedor, questione sobre o uso de plug-ins gratuitos e peça para ser informado caso haja a necessidade de se contratar algum plugin pago, pois além do custo adicional, muitos deles trabalham com sistema de “assinaturas anuais” e, portanto, exigirão ser renovados periodicamente.

Se adaptando a realidade do mercado

A maioria dos sistemas, incluindo os chamados open-source (código aberto), foram desenvolvidos por uma equipe de programadores e designers especializados, espalhados por todo o mundo, e que dedicaram seu tempo e experiência para inventar e testar estes sistemas.

Portanto, não tente reinventar a roda! O que já foi criado, testado, aprimorado e aprovado nos últimos anos, merece todo o nosso crédito!

  • DICA: Fuja dos sistemas “próprios” criados e de uso exclusivo de agências ou desenvolvedores. Além da dúvida sobre segurança e falta de garantia para futuras atualizações, o cliente corre o risco de, no caso de troca de fornecedor, perder tudo o que já foi feito. Procure utilizar os mesmos softwares (livres ou não) que todo o mercado está usando, pois, as chances de errar são muito menores!

Caso você opte pelos softwares mais usados no segmento de e-commerce, você vai perceber que é muito mais fácil encontrar profissionais que conheçam estas ferramentas, em condições de auxiliar nos momentos mais críticos.

A questão de escolha de um layout – o design de sua loja virtual – bem como mecanismos de funcionamento, merecem um capítulo exclusivo e vamos tratar em detalhes na próxima publicação ;)